Registo Fotográfico V – Localização

Aqui vai a despedida de hoje, novas paragens e mais um pescador, desta vez no Alfeite.

 

SONY DSC
pescador, Alfeite
Anúncios

Homem ao Mar

Vamos, vamos morrer.

Podemos morrer de velhos.

De costas para os mortos

ceifando nossas colheitas,

recolhendo no regaço a fruta,

sentar à beira-mar comendo

caça e pesca,

chupando lânguidos diospiros,

roendo raças de azeitonas,

mordendo o pão dos famintos,

com os pés de molho, vendo,

que chegou a hora de morrer.

Sai do abraço da fronteira,

faz-nos o enterro, carrega-nos.

Põe-te em teus terrenos pés lavradores,

vamos embora,

legar a encosta aos perdidos.

Não me deixes a encontrar-te

que eu só aprendi-me

e sei da minha saudade.

Não há identidade acima do nosso valor,

não tens idade,

podes morrer.

Vamos! Já! Vem em espumantes rebentações,

escorrendo do teu corpo de volúpia

pelos cabelos e seios de estátua,

navegar de mãos dadas pela água

tecendo as fibras do mesmo Fado das tuas núpcias.

Recolhe o teu berço e o teu amor,

içamos âncora e comemos as ondas,

na barcarola das tuas alvas edificações.

Esse fulgor da Justiça do Terreiro na proa

avista para lá do zénite dum Platão, Dante ou Antero.

Navega-nos para lá da tua costa-prisão,

espraia-te no espelho da cidade dos céus.

Tu, que levas a tua gente imersa no teu olhar,

rema-nos ao teu altar,

banha-te na bonança da morte que é enfim provar

do Quinto Império as tuas raízes de herói,

alma de pagão, homem ao Mar.

Portugal, salva-me, vamos morrer.

GJ