Domingo: vizinhança revista

Já vou a tarde e a más horas, as prioridades revezam-se a massacrar-me e as novidades do mundo apressam-se a passar despercebidas… mas eu não tiro os olhos de cima.

Esta semana revi alguns hábitos meus, incluindo o de ser mandão e exigente, lembrando o dia em que obriguei o meu pai a fazer mais uma chave de casa, para que pudesse voltar da escola sem ter de esperar por ninguém. Tinha eu cinco anos, farto dos outros miúdos e a querer paz e sossego. Isto tem alguma coisa de perturbador, mas defendo-me com a sensatez e presença de espírito de saber o que queria e o que era melhor para mim. Nem todas as crianças teriam esta auto-determinação.

Passada a confissão escusada, confiro agora o que me chamou à atenção e alegrou, esta semana. Aqui vai:

1º Quero falar-vos do Almeida Garcez: The Guilty Preacher Man! Que nome!
Apresenta-se, em inglês: Self-taught artist whose main focus is illustrating social issues. Available for collaborations.
Visitem a página, viajem na imaginação fluída, nos ácidos dos desenhos quase kitsh, nos separadores das antigas e novas ilustrações, vejam os pedaços da viajem fotográfica deste artista pela europa, os tesouros que trouxe.

Almeida Garcez: The Guilty Preacher Man!

2º Sou leitor ávido e assíduo de uma jovem indiana londrina e das short-stories que publica de surpresa, cuja escrita treinada, de grande poder descritivo e linguagem proper, lhe conferem lugar cativo no meu já muito calendarizado tempo virtual, guardando tempo para ler os extensos textos, sem parar.

Barely Here Nor There

 

3º Quero ainda mencionar um blog/site brasileiro, do qual tomei conhecimento através de Lourdes Rodrigues, que é o Oficina de Criação Literária Clarice Lispector. Promove-se o auto-conhecimento através da escrita! Apoio esta causa, a da auto-expressão e a do auto-conhecimento.

 

4º O Biblioklept mantém-me entretido, diariamente. Dizem, sobre o site suis generis:

Biblioklept was founded in AD 2006 by Edwin Turner. Reviews, rants, and riffs on books (and things that aren’t books). Interviews with authors, artists, filmmakers, publishers. Biblioklept posts short stories, poems, essays, and excerpts from many authors (mostly in the public domain, but sometimes not). Biblioklept also posts pretty pictures (and pictures that aren’t so pretty, perhaps). Paintings of readers and books. Film clips, full films, stuff like that.

 

5º Voltar a estudar foi um passo importante e, tendo isso em conta, vou antecipando alguns dos passos, para me preparar. Tenho estudado formas de ilustração, formatos de publicação, grelhas, tipografia, planeamento estratégico de um projecto editorial, e agora chego à infografia. O que é? Anna Vital; Information Designer .

6º Tenho lido alguns blogs de mulheres que são filhas, esposas e mães, que homenageiam as mães que tiveram, lembrando-as e partilhando as histórias e adversidades da idade madura. Este é um deles, e o que mais gosto: Those Were the Days
7º Para quem também escreve em inglês, encontrei estas ferramentas online para revisão de textos, erros ortográficos: Grammarly, e para feedback sobre textos: Autocrit – nem preciso dizer o quão entusiasmado fiquei.

8º Em último lugar, a Marvel disponibilizou bd’s para ler online. Destaco títulos como: Iron Man in Remote Possibilities; Captain America featuring Road Force in Endgame; Avengers #1 e ainda Thor: God of Thunder #1.

BD’s digitais Marvel gratuitas

 

 

GJ

2 pensamentos sobre “Domingo: vizinhança revista

  1. Gonçalo, obrigada pela suas palavras sobre os meus blogs. Estou passeando pelas suas referências e estou gostando muito. Até agora já visitei Almeida Garcez e Barely Here Nor There, muito bons. Particularmente o conto Frog me comoveu bastante. Falar sobre a morte não é fácil e acho que ela criou uma metáfora com o sapo bem legal.

    1. Olá Lourdes!
      Quando cheguei ao Traço Freudiano fiquei satisfeito com o muito que há para ler, e por lá vou estando, também. Os contos do Barely Here Nor There foram uma grande surpresa, num instante fiquei apaixonado pelas histórias e pela qualidade “de ser criança” da voz do narrador. Falar sobre a morte do jeito macabro que foi descrito no começo da história, da perda na conclusão, mas também da interacção não muito falada mas que mostra e nos envolve no sentimento do que seria a relação desta mãe e desta filha… Há tanta coisa boa, ali :) ando sempre à espera de mais, até sou chato com ela ahah

Comentários

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s