Meu Antinoo

Partindo do longo e trágico poema Antinoo de Pessoa, e de uma maré de sentimentos dicotómicos de paixão intensa, vertigem e excessivo zelo, face ao opressor calor que se fez sentir, busquei a chuva que caía nas margens do Nilo, de onde pescaram o corpo de Antinoo, a frigidez do seu corpo de alabastro, o calor frustrado de Adriano que amava o corpo do amante morto em violações consecutivas, incapazes de ressurreição. A divindade morta mantinha a glória, vibrando nos braços do rei, afogado e remando ao encontro da próxima paragem. O rio Nilo sujou-o. A vergonha sujou-o. Apenas o sacrifício o honrou.

meu antinoo

Beautiful        was             my       love         , yet         melancholy.
He        had        that       art,      that    makes     love    captive   wholly,
Of         being         slowly          sad          among       lust’s    rages.

Antinoo, Pessoa.

GJ

Anúncios

Comentários

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s